Qualidade da Água

Atendendo ao Decreto Federal n° 2.914/2011, a Águas Guariroba coloca à disposição de todos os seus clientes informações sobre a qualidade da água consumida em Campo Grande. Essas informações são mensais e estão disponíveis na nossa página na internet (www.aguasguariroba.com.br) e em todos os seis Postos de Atendimento ao Cliente que a empresa possui.

BAIXE OS RELATÓRIOS MENSAIS

11 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – NOVEMBRO 2017

10 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – OUTUBRO 2017

09 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – SETEMBRO 2017

08 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – AGOSTO 2017

07 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JULHO 2017

06 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JUNHO 2017

05 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – MAIO 2017

04 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – ABRIL 2017

03 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – MARÇO 2017

02 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – FEVEREIRO 2017

01 – RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JANEIRO 2017

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – DEZEMBRO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – NOVEMBRO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – OUTUBRO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – SETEMBRO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – AGOSTO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JULHO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JUNHO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – MAIO 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – ABRIL 2016

RELATORIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – FEVEREIRO 2016

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JANEIRO 2016

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – DEZEMBRO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – NOVEMBRO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – OUTUBRO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – SETEMBRO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – AGOSTO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JULHO 2015

RELATÓRIO GERAL SOBRE A QUALIDADE DA ÁGUA – JUNHO 2015

RELATÓRIO GERAL QUALIDADE DA ÁGUA – MAIO 2015

RELATÓRIO GERAL QUALIDADE DA ÁGUA – ABRIL 2015

RELATÓRIO GERAL QUALIDADE DA ÁGUA – MARÇO 2015

RELATÓRIO GERAL QUALIDADE DA ÁGUA – FEVEREIRO 2015

RELATÓRIO GERAL QUALIDADE DA ÁGUA – JANEIRO 2015

Relatório Anual da Qualidade da Água 2014

Relatório Geral – Dezembro 2014

Relatório geral – novembro 2014

Relatorio Geral – Outubro – 2014

Relatorio por bairro – Outubro – 2014

Relatorio por sistema – Outubro-2014

Relatorio Geral – Setembro – 2014

Relatorio por bairro – Setembro – 2014

Relatorio por sistema Setembro – 2014

Relatorio Geral – Agosto- 2014.pdf

Relatorio por sistema – Agosto- 2014.pdf

Relatorio por bairro – Agosto- 2014.pdf

Relatorio Geral – Julho- 2014.pdf

Relatorio por sistema – Julho- 2014.pdf

Relatorio por bairro – Julho- 2014.pdf

Relatorio Geral – Junho- 2014.pdf

Relatorio por sistema – Junho- 2014.pdf

Relatorio por bairro – Junho- 2014.pdf

Relatorio Geral – Maio- 2014.pdf

Relatorio por sistema – Maio- 2014.pdf

Relatorio por bairro – Maio- 2014.pdf

Relatorio Geral – Abril- 2014.pdf

Relatorio por sistema – Abril- 2014.pdf

Relatorio por bairro – Abril- 2014.pdf

Relatorio Geral – Março – 2014.pdf

Relatorio por sistema – Março – 2014.pdf

Relatorio por bairro – Março – 2014.pdf

Relatorio Geral – Fevereiro – 2014.pdf

Relatorio por sistema – Fevereiro – 2014.pdf

Relatorio por bairro – Fevereiro – 2014.pdf

Relatorio por sistema – Janeiro – 2014.pdf

Relatorio por bairro – Janeiro – 2014.pdf

Relatório Anual da Água 2013.pdf

Além de um rigoroso processo de tratamento, todos os dias a Águas Guariroba realiza dezenas de análises da água consumida em Campo Grande no laboratório da empresa, localizado na Estação de Tratamento de Água Guariroba. As amostras são coletadas em mais de 200 pontos de abastecimento espalhados pela capital.

No laboratório são realizados exames bacteriológicos e físico-químicos. Entre os parâmetros analisados estão: odor, sabor, cor, turbidez, cloro residual, pH, flúor, coliformes termotolerantes e coliformes totais. Também são feitos exames de alguns metais pesados, como ferro, alumínio, manganês e cromo hexavalente. Os exames que não podem ser feitos no laboratório da empresa são enviados para um laboratório terceirizado, referência nacional em análise de água.

O trabalho desenvolvido no laboratório da Águas Guariroba segue a Portaria 2.914/2011, do Ministério da Saúde, e os resultados são enviados mensalmente para a Agência Municipal de Regulação e Secretaria de Saúde Pública de Campo Grande. Em junho de 2003 a empresa recebeu o certificado ISO 9001:2000 pelo seu Sistema de Gestão da Qualidade nos processos de produção e distribuição de água potável, coleta e tratamento de esgoto sanitário, garantindo mais qualidade de vida para a população de Campo Grande. Desde então a concessionária vem mantendo o selo de qualidade. Em julho de 2010 a empresa recebeu a recertificação ISO 9001:2008.

PARÂMETROS UTILIZADOS NAS ANÁLISES DE ÁGUA

1 – Análise Bacteriológica: O objetivo do exame bacteriológico da água é fornecer informe a respeito da sua potabilidade, isto é, ausência de risco de ingestão de microorganismos causadores de doenças, geralmente provenientes da contaminação pelas fezes humanas e de outros animais de sangue quente. As bactérias do grupo coliforme constituem o principal indicador de contaminação microbiológica da água. Uma água, para ser potável, não pode conter bactérias do grupo coliforme e, principalmente, coliformes termotolerantes, pois a presença destes indica o risco potencial da ocorrência de bactérias patogênicas.

2 – Análises Físico-químicas: Estas análises são feitas por parâmetro. Cada parâmetro fornece uma informação diferente, conforme explicações abaixo:

• Turbidez: A turbidez é causada pela presença de partículas em suspensão, tais como argila, sílica, matéria orgânica, inorgânica e microorganismos. A Turbidez em excesso afeta a qualidade estética da água e também a qualidade sanitária, pois alguns vírus e bactérias podem se alojar nas partículas em suspensão se protegendo da ação desinfetante do cloro.

• Cor: A cor é causada por substâncias dissolvidas na água. Essas substâncias podem ser de origem orgânica ou inorgânica. Como exemplo de substâncias orgânicas podemos citar os vegetais, que se decompõem, dando origem ao que se convencionou chamar de “húmus” e como exemplo de substâncias inorgânicas podemos citar alguns metais, tais como ferro e manganês. A determinação da cor de uma água é, antes de tudo, a caracterização estética, sem grande significado sanitário, pois uma água isenta de cor pode ser menos potável do que uma água colorida. Quando a cor está acima dos padrões, além de esteticamente inaceitável, pode manchar roupas, peças sanitárias, etc.

• Cloretos: O cloreto é um dos ânions mais comuns em águas naturais, nos esgotos domésticos e em despejos. Não são prejudiciais à saúde do homem, porém conferem sabor salgado à água. Em altas concentrações podem trazer restrições ao sabor da água.

• Cloro Residual: O hipoclorito de sódio é utilizado no processo de desinfecção, o qual visa destruir ou desativar os microorganismos causadores de enfermidades.

• Dureza: A dureza é a soma de cálcio e magnésio e é tida como uma medida da capacidade da água de precipitar sabão. Em concentrações elevadas consomem muito sabão na limpeza em geral, deixam resíduos insolúveis e causam corrosão e incrustações nas tubulações.

• Ferro: O Ferro é indesejável em águas de abastecimento público por conferir gosto, odor, manchar roupas e sanitários e favorecer o desenvolvimento de ferrobactérias que podem obstruir canalizações.

• Fluoreto: O Flúor é determinado na forma de íon fluoreto. É importante na prevenção da cárie dental e pode ocorrer naturalmente. O excesso de flúor pode causar fluorose dentária, caracterizada pelo surgimento de manchas nos dentes da população, cuja coloração pode variar do branco ao marrom escuro, alterações ósseas, inflamação no estômago e intestino.

• pH: O pH é importante, visto que o mesmo influi nos processos de potabilização e desinfecção da água. O pH é uma característica importante das águas de abastecimento, dada a sua influência na coagulação química, na desinfecção, no amolecimento de água e no controle da corrosão. O pH ácido pode levar à corrosão das tubulações e o pH básico diminui a eficiência do cloro na desinfecção da água.

• Alumínio: O Alumínio é o terceiro elemento mais abundante na crosta terrestre, ocorrendo em minerais rochas e argila. Está presente no ar, nos alimentos e na água, tanto em seu estado natural ou como contaminante. Existem alguns estudos sobre os danos à saúde que o Alumínio pode provocar, mas ainda inconclusivos. A água passa a ser esteticamente indesejável ao consumidor quando existe presença de Alumínio num nível superior a 0,1 mg/L.

CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA CONSUMIDA EM CAMPO GRANDE

A Águas Guariroba, visando garantir a tranqüilidade dos seus usuários quanto à qualidade da água fornecida, informa:

– A água captada na represa Guariroba chega à Estação de Tratamento Guariroba, construída de acordo com as normas técnicas da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas, onde passa pelas seguintes etapas de Tratamento: floculação, decantação, filtração, correção de pH, fluoretação e cloração, sendo que esta última etapa utiliza o hipoclorito de sódio, que visa destruir ou desativar os microorganismos causadores de enfermidades e manter uma concentração de cloro residual adequada para garantir a desinfecção das águas de abastecimento ao longo de toda a rede de distribuição.

– As equipes de operação da ETA Guariroba (Estação de Tratamento de Água Guariroba), analisam o pH, cor, turbidez, cloro residual e fluoreto de hora em hora e a alcalinidade a cada duas horas. Se necessário, são executadas medidas corretivas no sentido de fornecer uma água tratada que esteja dentro dos parâmetros estabelecidos pela Portaria 2.914/2011;

– O tratamento da água é monitorado através de análises diárias realizadas nos laboratórios de qualidade da água da empresa. Mensalmente são realizadas em torno de 3.500 amostras e 25.000 parâmetros.

– O controle de qualidade da água tratada é realizado obedecendo rigorosamente a Portaria 518/2004, do Ministério da Saúde, que estabelece as normas e padrões de potabilidade a serem seguidos para as águas de consumo humano.

– O controle da água bruta, ou seja “in natura”, é realizado obedecendo rigorosamente a Resolução N. 357/2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), que estabelece os parâmetros a serem analisados e valores máximos permitidos para as águas que servirão ao abastecimento doméstico após tratamento.

– As análises das águas são realizadas através de métodos internacionalmente padronizados estabelecidos no “Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater”, 21ª Edição.

– Visando monitorar a qualidade das águas “in natura” das represas utilizadas, bem como a preservação dos mananciais, são realizadas análises mensais no laboratório de controle de qualidade da empresa e semestralmente são enviadas amostras para um laboratório terceirizado, onde são analisados todos os parâmetros estabelecidos pela Resolução N.357/2005, do CONAMA – Conselho Nacional do Meio Ambiente.

– Visando monitorar a qualidade da água tratada, são realizadas análises diárias de amostras coletadas nas entradas dos sistemas e na rede de distribuição no laboratório de controle de qualidade da empresa e semestralmente são enviadas amostras para um laboratório terceirizado, onde são analisados todos os parâmetros estabelecidos pela Portaria 2.914/2011, do Ministério da Saúde.

– Visando monitorar a qualidade das águas dos poços e de acordo com a resolução 396/2008 do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), são realizadas análises semestrais dos mesmos, de acordo com um programa de coleta, que vai de janeiro a junho e é novamente repetido de julho a dezembro.

– Visando ainda garantir a qualidade da água, são realizadas análises dos produtos utilizados no tratamento da água, seguindo normas estabelecidas pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

– São realizadas em torno de 3.500 amostras de água mensalmente, obedecendo a um programa de coleta estabelecido, para que possa ser avaliada a qualidade da água nas entradas dos sistemas e em todas as regiões da cidade.

– Mensalmente é enviado formulário das análises da rede e das saídas dos sistemas para a Agência Reguladora da Prefeitura Municipal de Campo Grande e os relatórios SISAGUA à Secretaria Municipal de Saúde Pública.

Assim sendo, fica evidenciado que são realizados controles rigorosos tanto quanto à qualidade da água “in natura” quanto na água tratada, obedecendo às legislações vigentes.

ANÁLISES REALIZADAS

1. ETAS (Estações de Tratamento de Água):

1. Controle Básico Produção:
– Alcalinidade a cada 2 horas, o que implica em 24 controles diários, 168 semanais e 8.736 anuais nas Estações de Tratamento de Água Guariroba e Lageado.
– Cloro Residual Livre, Fluoreto, pH, Turbidez e Cor a cada hora, o que implica em 48 controles diários, 336 semanais e 17.472 anuais nas Estações de Tratamento de Água Guariroba e Lageado.

 

2. Laboratório de Monitoramento da Qualidade da Água:

2.1 Rede de distribuição:
2.1.1 Diariamente: Na rede de distribuição são realizadas análises de, cloro residual livre, cor aparente, fluoreto, gosto, odor, Coliformes totais, Coliformes termotolerantes e contagem padrão de bactérias heterotróficas(em 20% das amostra).
2.1.2 Semestralmente: Além das análises diárias, são realizadas análises de cloretos, dureza, ferro, manganês e alumínio.

2.2 Saídas dos Sistemas Guariroba e Lageado:
2.2.1 Mensalmente: São realizadas análises de amônia, alcalinidade, alumínio total, cor aparente cobre total, cloretos, cloro residual livre, cromo total, dureza, ferro total, fluoreto, gosto, manganês total, nitrato, nitrito, odor, pH, sólidos dissolvidos totais, turbidez, zinco , Coliformes totais, Coliformes termotolerantes, contagem padrão de bactérias heterotróficas e microcistinas.
2.2.2 Semestralmente: São realizadas todos os parâmetros da Portaria 2.914/2011.
2.3 Saídas dos demais sistemas:
Semestralmente: São realizados todos os parâmetros da Portaria 2.914/2011.

2.4 Água bruta das Represas Guariroba e Lageado: 
2.4.1 Mensalmente: São realizadas análises de alcalinidade,  alumínio dissolvido, condutividade, cor verdadeira, cloretos, DBO, DQO dureza, cromo total, ferro dissolvido, fósforo total, fosfato total, manganês total, pH, fluoreto, nitrato, nitrito, nitrogênio amoniacal total, nitrogênio total, óleos e graxas, sólidos totais, sólidos dissolvidos totais, sulfato total, zinco total, temperatura, turbidez, Coliformes totais, Coliformes termotolerantes,  microcistinas e Cianobactérias.
2.4.2 Semestralmente: São realizados todos os parâmetros da Resolução N. 357/2005 do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente.

2.5 Poços
2.5.1 Águas “in natura” (antes do tratamento): São analisados os seguintes parâmetros de acordo com a Resolução 396/2008 do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente: alumínio, condutividade, cobre, cor aparente, cloretos,  cromo, ferro, manganês, nitrato, nitrito, pH, sólidos dissolvidos totais, sulfato,  turbidez, zinco, Coliformes totais, Coliformes termotolerantes e Enterococos.
2.5.2 Águas tratadas: São analisados os seguintes parâmetros de acordo com a Portaria 2.914/2011 do Ministério da Saúde: alumínio, amônia, condutividade, cobre, cor aparente, cloretos, cloro residual livre, cromo, dureza, ferro, fluoreto, gosto, manganês, nitrato, nitrito, pH, odor, sólidos dissolvidos totais, sulfato,  turbidez, zinco, Coliformes totais, Coliformes termotolerantes e contagem padrão de bactérias heterotróficas.

Share Button